Ligue agora

Whatsapp

Protecionismo: o assunto que está pautando o comércio internacional

26/03/18  |  Análise

No início de março de 2018, o presidente norte-americano Donald Trump anunciou uma medida que pegou a muitos de surpresa e causou ultraje por parte de quase todos os países do globo.

A medida refere-se à aplicação de uma tarifa de 25% sobre o aço e 10% sobre o alumínio importados pelo país. A decisão do presidente, logo caracterizada por muitos como um retrocesso da ordem liberal e globalizada, não havia deixado nem mesmo o Brasil de fora, segundo maior exportador de aço para os Estados Unidos.

A decisão ecoou internacionalmente como uma fagulha que poderia apontar para uma guerra comercial, algo que nenhum país poderia ver como algo vantajoso. Contudo, rapidamente o discurso de Trump passou para a incongruência. A decisão, que não deveria abrir exceção para nenhum país¹, logo foi retirada para os países do Nafta, bloco econômico composto por EUA, Canadá e México.

Mais tarde, os assessores de Trump talvez tenham conseguido fazer o presidente notar o equívoco do seu ato. O presidente brasileiro Michel Temer afirmou no dia 21 de março que o Brasil e os Estados Unidos estavam negociando uma nova tarifa para a importação de aço e alumínio. E muitas pessoas conseguiram respirar aliviadas quando Temer afirmou que as novas tarifas anunciadas pelo governo americano não seriam aplicadas ao Brasil, pelo menos enquanto durassem as negociações².

Mas, afinal de contas, por que a medida do presidente americano foi caracterizada como protecionista e causou tanto ultraje no cenário internacional?

Livre Comércio, Globalização e Protecionismo

Octávio Ianni, em seu livro A Sociedade Global, aponta as características da globalização, que estão sintetizadas a seguir:

  1. Mundialização da economia por meio da internacionalização dos mercados, o que acaba desconfigurando as fronteiras geográficas clássicas.
  2. Descentralização do Estado;
  3. Internacionalização dos Estados, que acabam formando blocos regionais e tratados de livre comércio;
  4. Fragmentação das atividades produtivas, o que implica no surgimento de conglomerados multinacionais agindo em diferentes países.
  5. Estabelecimento e consolidação da internet.

Como apresentado no primeiro ponto, uma das características que definem a globalização é a mundialização da economia. Você muito provavelmente se lembra da crise econômica de 2008. Ela teve origem nos Estados Unidos, mas não ficou limitada apenas a ele. Ao contrário, alastrou-se como uma fagulha, afetando negativamente economias ao redor do globo.

Portanto, em um cenário marcado pela interconexão e interdependência das economias, uma medida como a taxação do aço e do alumínio pelos EUA tem implicações em todo o mundo. Tanto que várias montadoras de veículos norte-americanas acabaram expressando ser contra a medida. No fim, no caso dos veículos, ou eles se tornariam mais caros ou o lucro dessas empresas diminuiria. Os próprios cidadãos americanos seriam afetados negativamente pela medida que, pelo menos em tese, deveria protegê-los.

O Protecionismo sempre é negativo?

A complexidade da economia global acaba apresentando muitas exceções para casos específicos. Uma situação que acaba tornando essa medida louvável, pelo menos do ponto de vista do país que a aplica, é para ajudar no desenvolvimento de uma indústria nascente. Nesse caso, indústrias que estão começando a se desenvolver enfrentam uma competitividade desleal de países que já as possuem completamente desenvolvidas. Assim, o protecionismo nesse caso seria uma maneira de incentivar a indústria do próprio país em um cenário de concorrência desleal.

Enquanto as decisões protecionistas de Donald Trump fizeram muitos acreditam que o mundo estava encaminhando para uma guerra comercial, no fim os preceitos da globalização e do neoliberalismo acabaram prevalecendo e fizeram Trump voltar atrás em alguns pontos de sua decisão. O mundo voltou a respirar com alívio. Pelo menos alguns alguns países, como o Brasil a Argentina, A coreia do Sul e os que fazem parte da União Europeia.

Enquanto isso, a China se ergue cada vez mais como uma potência global e defensora do livre comércio.

No fim, ainda temos que apreciar a seguinte ironia: os Estados Unidos, país que mais gastou fôlego defendendo o liberalismo e o livre comércio, acabou mudando seu posicionamento e tomando uma medida protecionista que vai contra os ideais por tanto tempo apregoados pela potência. Enquanto isso, a China, um país que neste ano se encaminhou rumo a uma ditadura e possui íntimas relações com o socialismo, defende a ordem global. Os tempos são outros.

 

¹ https://g1.globo.com/economia/noticia/trump-nao-considera-nenhuma-isencao-a-tarifas-de-aco-e-aluminio-diz-secretario-de-comercio.ghtml

² http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2018-03/temer-diz-que-estados-unidos-vao-negociar-tarifas-de-aco-e-aluminio-com

 

Você também poderá se interessar por…

>> Habilitação no Radar Siscomex: como funciona?

>> Importador profissional: com a ajuda da Brasil Importex você também pode ser um!

>>Taxa de Câmbio: entende o que é e qual sua relação com importações e exportações